quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Dojô Cidadão do Futuro passa por reforma!

Dojô Cidadão do Futuro no segundo piso - Agosto de 2013
O Dojô Cidadão do Futuro, localizado na rua Angelin Grigolo, esquina com a av. Pedro Gianello, no bairro São Miguel em Fraiburgo, passa por uma ampla reforma, estão sendo realizados a pintura interna e externa, colocação de cerâmica e concerto de goteiras, no local são desenvolvidas atividades do Projeto Cidadão do Futuro de Karatê-dô com crianças, adolescentes, jovens e adultos moradores dos bairros: São Miguel, Nossa Senhora Aparecida, São Cristóvão e Assentamento São João Maria.
Os recursos são oriundos do fundo de transação penal do Fórum da Comarca da Fraiburgo, os quais podem ser destinados para entidades sem fins lucrativos que realizem trabalho social, cultural ou esportivo.
Foram repassados a Associação Hayashi-há Vital Fraiburgo de Karatê-dô o montante de R$ 21.870,27 (vinte e um mil, oitocentos e setenta reais com vinte e sete centavos), que estão sendo investidos da seguinte maneira: R$ 11.000,00 destinados a aquisição de kimonos (uniformes para treinamento) e 20 (vinte) coletes/protetores para treinamentos. R$ 3.744,00 destinados ao pagamento da mão-de-obra para a colocação da cerâmica. R$ 2.370,32 para quitar as despesas com a mão-de-obra da pintura interna e externa. Para adquirir tinta, cerâmica, argamassa e outros materiais utilizados na reforma foram investidos mais R$ 4.755,95.
Segundo informações repassadas por coordenadores da Associação Vital, os trabalhos de reforma se estenderão até sexta-feira 02 de setembro e o ato de reinauguração do Dojô Cidadão do Futuro acontecerá na terça-feira 06/09.
Dojô Cidadão do Futuro no segundo piso - Inicio de Abril de 2011
O Dojô Cidadão do Futuro foi inaugurado em 28 de abril de 2011, foram investidos em sua construção R$ 130.000,00 captados junto a Trombini, Fundação Itaú Social, Fischer e da generosidade da comunidade fraiburguense através da compra de cartelas de ações solidárias entre amigos e outras promoções de mobilização de recursos financeiros, promovidas pela entidade para tornar possível a edificação desse espaço destinado para artes marciais, atividades culturais, ginástica e dança. O Dojô cidadão do Futuro também abriga a Biblioteca Comunitária Alisson Zonta. 


Siga o blog nas redes sociais:
Twitter: @Esportes_Debate 

“O Sul é o meu país”? Na Olimpíada seria um fracasso

Mayra Aguiar única medalha legitima do sul na Olimpíada (Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo
O movimento “O Sul é o meu país” existe há quase 25 anos. O grupo pretende organizar em outubro um plebiscito informal sobre a ideia de separar a região do resto do Brasil. Mas e na Olimpíada? Quais seriam os resultados concentrados dos atletas de Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul?
Os separatistas estariam em crise e sem muitos motivos para comemorar… O Brasil somou 19 medalhas: 07 de ouros, 06 de prata e outras 06 de bronze. Podemos considerar que apenas uma é legítima do Sul. É o bronze da gaúcha Mayra Aguiar no judô.
Mas vamos ser generosos. Outro judoca, Rafael Silva, nasceu em Campo Grande (MS), mas só ficou dois meses por lá e nunca mais voltou para a cidade. Foi criado em Rolândia, no Norte do Paraná. Seria um ‘sulista naturalizado’. Então, são dois bronzes.
No vôlei de praia, a curitibana Ágatha conquistou a prata, mas jogando com a carioca Bárbara. Ou seja, só meia medalha contabilizada. Mas e os esportes coletivos?
No futebol masculino, o paranaense Zeca é o único da região titular do time. No vôlei masculino, o líbero Serginho é nascido em Diamante do Norte, no Paraná, mas aí temos de fazer o caminho inverso da naturalização. Já com nove meses foi para São Paulo. Provavelmente não defenderia as ‘cores’ do Sul. O levantador Bruninho, que distribui todas as jogadas do time, e Wallace, principal pontuador, não são da região. Então fica difícil pensar em pódio.
Em resumo, são dois bronzes e meia prata para “O Sul é meu país”. Seria o 63º no quadro de medalhas, logo atrás da Venezuela e acima do Egito.
Melhor manter tudo como está, não é mesmo? Abaixo a lista de todos os medalhistas brasileiros até a manhã desta sexta-feira (19) e as cidades de origem de cada um.


07 Ouro
Rafaela Silva (judô) – Rio de Janeiro-RJ;
Thiago Braz (salto com vara) – Marília-SP;
Robson Conceição (boxe) – Salvador-BA;
Alison e Bruno (vôlei de praia) – Vitória-ES e Brasília-DF;
Martine Grael e Kahena Kunze (vela) – Niterói-RJ e São Paulo-SP;
Futebol Masculino;
Vôlei masculino.

06 Pratas
Isaquias Queiroz (canoagem) 02 – Ubaitaba-BA;
Diego Hipólito (ginástica artística) – Santo André-SP;
Arthur Zanetti (ginástica artística) – São Caetano do Sul-SP;
Felipe Wu (tiro esportivo) – São Paulo-SP;
Ágatha e Bárbara (vôlei de praia) – Curitiba-PR e Rio de Janeiro-RJ;

06 Bronzes
Isaquias Queiroz (canoagem) – Ubaitaba-BA;
Arthur Nory (ginástica artística) – Campinas-SP;
Poliana Okimoto (maratona aquática) – São Paulo-SP;
Rafael Silva (judô) – Campo Grande-MS *Radicado em Rolândia-PR;
Mayra Aguiar (judô) – Porto Alegre-RS;
Maicon Siqueira (taekwondo) – Ribeirão das Neves-MG.


Com informações da Gazeta do Povo

Siga o blog nas redes sociais:
Twitter: @Esportes_Debate 

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Ouro no futebol dá a cada jogador R$ 500 mil. Rafaela ganhou R$ 35 mil

Cada jogador de futebol recebeu R$ 500 mil pela conquista da medalha olímpica 
Quanto vale uma medalha de ouro no futebol para cada jogador e comissão técnica? R$ 12 milhões. E a judoca Rafaela Silva, que conquistou sozinha o ouro no Judô? R$ 35 mil. O disparate olímpico revela o fosso que separa o esporte no Brasil. O curioso é que o Comitê Olímpico Brasileiro calculou que daria para cada atleta de esporte coletivo que conquistasse o ouro R$ 17,5 mil – que é o que vai ganhar, por exemplo, os atletas do vôlei. Mas seis é diferente de meia dúzia quando a lógica tem como parâmetro a elite do futebol.
A verdade dos números esconde, ou tenta esconder, que o ouro no futebol, que na prática não se diferencia em nada do ouro conquistado pelas atletas da Vela, vôlei de praia, quadra e etc, é muito mais valorizado na cultura do esporte no país. O chamado espírito olímpico, como se vê, só funciona na propaganda.
Cada atleta do voleibol recebeu apenas R$ 17,5 pela conquista do ouro olímpico  
O título do futebol do Brasil, inédito, foi conquistado na última cobrança de pênalti, convertida por Neymar. O jogador, após a consagração do gol, foi a arquibancada onde bateu boca com torcedor que pedia raça e empenho ao grupo. Na cabeça Neymar carregava uma faixa onde se lia “100% Jesus”, o que é condenado pelo COI.
O valor que cada um dos 18 integrantes da equipe receberá da CBF (e não do COB) é 14 vezes maior do que a premiação dada pelo COB (Comitê Olímpico do Brasil) aos medalhistas das outras modalidades.
No início dos Jogos, o COB determinou que todos os atletas que subissem ao pódio em competições individuais, independentemente da cor da medalha, receberiam R$ 35 mil. O “bicho” aos jogadores para as conquistas em esportes coletivos seria a metade, R$ 17,5 mil.
Rafaela recebeu R$ 35 mil por conquistar a medalha de ouro 
Além da premiação do COB, os atletas também ganham dinheiro das confederações de suas modalidades.
Dono de três medalhas na Rio-2016, o canoísta baiano Isaquias Queiroz vai receber ao longo de um ano R$ 132 mil da CBCa (Confederação Brasileira de Canoagem) como prêmio.
O Brasil terminou a Olimpíada com 19 medalhas, sendo sete de ouro, seis de prata e seis de bronze. O desempenho ficou abaixo do planejado inicialmente, mas foi o maior já obtido pelo Brasil.
Segundo o site Uol, nos Jogos de Londres-2012, a CBF prometera pagar US$ 100 mil (cerca de R$ 320 mil, em valores atuais) pelo ouro. Como ficaram com a prata, os atletas não receberam nada.
A CBF declarou ter obtido um lucro de R$ 72 milhões no ano passado, 42% acima dos R$ 51 milhões registrados em 2014. Esse é o terceiro maior resultado positivo da entidade. O faturamento em 2015 também foi um recorde -R$ 584 milhões.

Fonte: Conexão Jornalismo.

Tomado do Portal Desacato.Info

Siga o blog nas redes sociais:
Twitter: @Esportes_Debate 

Vereadores da Região do Contestado são investigados por desvio de dinheiro publico

Delegado Mattos em coletiva de imprensa na segunda-feria 22/08 - foto Cleriton Freire 
A Polícia Civil de Caçador descobriu um esquema criminoso aplicado dentro das Câmaras de Caçador e Calmon, entre os anos de 2006 e 2010, envolvendo servidores e vereadores. De acordo com o delegado Eduardo Mattos, que coordena as investigações, existem fortes indícios de que os agentes se beneficiavam de viagens e diárias para ir em outras cidades participar de cursos que sequer existiam.
A operação que foi deflagrada na segunda-feira (22/08), apreendeu nas duas Câmaras computadores e documentos para comprovar os ilícitos. Em Caçador onze servidores da época serão indiciados pelos golpes, e em Calmon, 6. Os nomes não foram divulgados no momento. A investigação teve início há um mês, quando chegou ao conhecimento da polícia esse esquema de enriquecimento.
Segundo o delegado, três empresas fraudulentas pertencentes a um mesmo dono ofereciam cursos para várias Câmaras de Santa Catarina e outros Estados. Mas os cursos seriam de fachada, não existiam, e mesmo assim o dinheiro era pago pelos cofres públicos. Em contrapartida, os vereadores e demais servidores, cientes da fraude, se beneficiavam das viagens e diárias, também oriundos de recursos municipais.
“Foi constatado que em algumas ocasiões o servidor chegava até a cidade em questão, assinada a lista de presença e o certificado, e saía para tomar um cafezinho e eram liberados. Ainda não está comprovado, mas há indícios que alguns servidores sequer viajavam e o recurso era empenhado mesmo assim”, comenta Mattos.
Ainda segundo o delegado, o dono dessas empresas foi preso em 2015 pela DEIC, em Tijucas, onde foi constatado este esquema criminoso aplicado em outras Câmaras. O suspeito teria confessado na época que todos os cursos não existiam, e que o objetivo era apenas obter o dinheiro, e os servidores, a diária.
Foi apurado ainda pela investigação que cada diária local, na época, variava de R$ 500 a R$ 700. Ao todo, ficou provado que os servidores de Caçador viajaram para participar de 15 “cursos” em cidades como Curitiba, Florianópolis e Brasília naquela época. Os servidores de Calmon teriam viajado para participar de pelo menos 10 “cursos”.
“Todos serão indiciados por peculato e falsidade ideológica. Agora o material apreendido passará por análise e perícia, e faremos a oitiva de testemunhas. O dono da empresa será novamente indiciado. Pretendemos concluir o inquérito em até 30 dias”, acrescenta o delegado

 Justificativa
O delegado Eduardo Mattos também justificou o uso de mandados de busca e apreensão nas Câmaras, apesar de muitas informações serem acessadas via portal da Transparência.
“A Câmara só presta informações ao Tribunal de Contas. Portanto, as prestações de contas, as notas fiscais, certificados e a comprovação de gastos em diárias ficam arquivados somente na Câmara, e só são apresentados ao Tribunal quando há suspeita de fraude. Como é este o caso, representamos pelo mandado de busca, até mesmo para que o material não fosse descartado”, pondera.

Por Cleriton Freire


Fonte: Jornal Informe

Siga o blog nas redes sociais:
Twitter: @Esportes_Debate 

Ainda falta um pouco de Serginho, do vôlei, em Neymar

A Olimpíada acabou. O legado que fica será um bom tema para breve discussão. Futebol no sábado e vôlei no domingo fecharam com chave literalmente de ouro. Sensações distintas. Únicas.
No Maracanã alívio com o fim do tabu. No Maracanãzinho à volta por cima de uma geração marcada pela prata. Neymar e Serginho como protagonistas. Eis a grande diferença. Neymar chorou. Serginho idem.
Neymar xingou, discutiu com alguns torcedores e colocou todo o ressentimento com a mídia e seus críticos para fora. Direito dele. ‘Vocês vão ter que me engolir’, se limitou a dizer o craque. Craque com a bolas nos pés, porque quando fala é uma tragédia. Neymar: primeira medalha olímpica.
Serginho não. Caiu nos braços dos companheiros, foi ovacionado por um ginásio lotado, ganhou o prêmio de melhor jogador da Olimpíada e ainda foi enaltecido pelos adversários. Isso tudo aos 40 anos e acabando de ganhar a quarta medalha olímpica. ‘Eu não me acho merecedor. Sou um cara normal’, fecha aspas. Cada um que tire suas conclusões.

Por Bruno Voloch

Fonte e fotos: Yahoo Esportes

Siga o blog nas redes sociais:
Twitter: @Esportes_Debate