sábado, 23 de junho de 2018

Fraiburgo conquista quarta medalha no campeonato Brasileiro de Karatê-dô

Karine e Ana Luiza (colo) recebendo a medalha de vice-campeã brasileira 
Na sexta-feira (22/06), segundo dia de disputas do Campeonato Brasileiro Karate em Joinville/SC, Fraiburgo conquistou a quarta medalha com Karina Aparecida França dos Santos, no Kata Individual Sub-21, na categoria novos. Karine, conquistou a medalha de prata, sagrando-se vice-campeã brasileira.
Também entraram no tatame no segundo dia de competições as fraiburguenses Laura de Paula Alt e Maria Cecília Ribeiro Subtil, que competiram na categoria cadetes novos e não conquistaram medalhas.
Segundo Luiz Coelho, o nível técnico da Mais Nobre das Artes Marciais – o Karatê-dô, só cresce em todo o Brasil.

Foto: Arquivo Karatê-dô fraiburguense
Publicidade/BED
Essa campanha tem o apoio do BED
Siga o blog nas redes sociais:
Facebook: facebook.com/blogesportesemdebate

quinta-feira, 21 de junho de 2018

Atletas fraiburguenses conquistam três bronzes no primeiro dia de disputas em Campeonato Brasileiro

Gustavo, Eduarda e Samuel - Foto: Karatê-dô fraiburguense
Os atletas fraiburguenses Gustavo de Souza Machado, Eduarda Alonso Subtil e Samuel Bitencourt Puhl, conquistam três bronzes no primeiro dia de disputas do Campeonato Brasileiro de Karatê-dô, que vem sendo realizado em Joinville (norte catarinense) de 20 a 24 de junho, evento organizado pela Federação Catarinense de Karatê-FCK e pela Confederação Brasileira de Karatê-CBK.
Os três atletas integram o Projeto Cidadão do Futuro de Karate-dô, realizado pela Associação Hayashi-há Vital Fraiburgo.
Gonzaguinha canta: Guerreiros/as são pessoas. São fortes, são frágeis. Guerreiros/as são meninos/as. Precisam de um sonho. Que os tornem refeitos! Por isso, o Blog Esportes em Debates parabeniza aos atletas, mães, pais, apoiadores e coordenadores do karate-dô fraiburguense.
Publicidade/BED
Essa ação tem o apoio do BED 

Siga o blog nas redes sociais:
Facebook: facebook.com/blogesportesemdebate

Jesc de 15 a 17 anos começam nesta sexta-feira 22/06

Foto de divlgação 
Tudo pronto em Videira para a realização os Jogos Escolares de Santa Catarina para estudantes de 15 a 17 anos (Jesc 15-17). De 22 a 24 de junho, acontecem as modalidades individuais e de duplas: atletismo, badminton ciclismo, judô, tênis de mesa, vôlei de praia e xadrez. E do dia 26 ao 30, a vez é das coletivas: basquete, futsal, handebol e vôlei, completando as 11 modalidades do evento.
"Fomentar o esporte nas escolas é uma das mais importantes ações do poder público no processo de formação e socialização do indivíduo, independente de que ele siga uma carreira esportiva. Os municípios e instituições de ensino têm um papel fundamental nesse processo. E os Jesc são um acontecimento importante para essa juventude. A partir dele sim, podemos revelar talentos esportivos, até porque nosso esporte escolar tem obtido importantes destaques em âmbitos nacional e mundial", disse a presidente da Fesporte, Professora Natália Lúcia Petry.
Por questões de infraestrutura, algumas modalidades serão realizadas em outros municípios. Em São José, ocorrerá a luta olímpica, dia, 4 de agosto, e em Palhoça, acontecerá a natação, de 6 e 8, no complexo aquático da Unisul. A ginástica rítmica será realizada na AABB de Blumenau, nos dias 10 a 12 de agosto. 
Imagem de divulgação 
A cerimônia oficial de abertura dos Jesc/15-17 acontece dia 26 de junho, às 19h30, no Complexo Esportivo Sérgio Luiz Marafon, em Videira.
O evento é uma promoção do Governo do Estado de Santa Catarina, por intermédio da Fesporte, em parceria com a Prefeitura Municipal de Videira e a Agência de Desenvolvimento Regional local.


Publicidade/BED
Esse projeto tem o apoio do BED
Siga o blog nas redes sociais:
Facebook: facebook.com/blogesportesemdebate

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Torcedor brasileiro protagoniza ataque com homofobia e misoginia contra menino na Rússia

Por Felipe Martins.
Imagem de divulgação
Em mais um vídeo que começou a circular nas redes nesta quarta-feira, um torcedor brasileiro assedia uma criança a repetir frases carregadas de machismo e misoginia. Na gravação, o menino é constrangido a dizer: “Eu sou um v**do (palavra ofensivo a homossexuais), Eu dou para o Neymar e “Eu sou um filho da p*”. (forma agressiva destinada a ofender mulheres). O autor do vídeo, Lucas Marcelo Andrade, apagou a gravação depois da imensa repercussão negativa que tomou conta da web. Ainda é possível ver nas imagens uma outra criança exposta ao diálogo preconceituoso.
Depois de deletar o vídeo, ele reclamou de outras pessoas que estão compartilhando a gravação. “Já apaguei o vídeo e nêgo continua postando”. Em outros tuítes, ele reclama da Rússia, “lugar sem sal”, e diz estar de volta para a Noruega. “Arrumar as malas para voltar para a Noruega agora”. “Não aguento mais viajar de avião, p* que pariu.
A nova postagem, desta vez envolvendo uma criança, surge ainda no calor da revolta provocada pelo comportamento de Diego Valença Jatobá, Luciano Gil Mendes Coelho, Felipe Wilson e Eduardo Nunes. Eles assediam uma jovem russa a repetir frases de teor sexual .

Homens que aparecem em vídeo machista podem responder por crime na Rússia
Os brasileiros que aparecem em vídeos machistas podem responder por crime ainda na Rússia, onde foram gravadas as imagens. A jurista russa Alyona Popova fez uma denúncia e escreveu petição contra os atos por violência e humilhação pública à honra e à dignidade de outra pessoa.
Dessa forma, o Ministério de Assuntos Interiores deve começar a investigar o caso de acordo com a petição e com os relatos já publicados na imprensa. No vídeo, torcedores brasileiros assediam uma russa e insistem para que ela repita palavrões sem ter a menor ideia do que está dizendo.

Feminista
Na denúncia, Alyona, que é ativista feminista e umas das maiores referências no país em defesa dos direitos da mulher, cita a repercussão do caso entre imprensa, autoridades e celebridades no Brasil. As punições para os ofensores, de acordo com ela, podem variar de multa a restrições na Rússia.
“Na legislação russa, existem várias opções de multa aplicadas às pessoas que humilharam publicamente a honra e a dignidade. Assim, os cidadãos estrangeiros no vídeo podem ser responsabilizados por cometer um delito nos termos da Parte 1 do art. 5.61 do Código de Ofensas Administrativas (insulto, isto é, honra e dignidade de outra pessoa, expressa na forma indecente – implica a imposição de uma multa administrativa aos cidadãos, no montante de mil a três mil rublos), ou processado sob Parte 1 do art . 20.1 do Código Administrativo (vandalismo), isto é, a violência da ordem pública, expressando desrespeito claro para a sociedade, acompanhados por linguagem ofensiva em locais públicos, abuso sexual ofensivo para os cidadãos”, diz a petição.
“E se comprovar que os estrangeiros cometeram os atos destinados a incitar o ódio ou inimizade, bem como a humilhação de uma pessoa ou grupo de pessoas em razão do sexo, raça, nacionalidade, língua, origem, atitude à religião, bem como pertencentes a um tanto o grupo social, publicamente ou usando a mídia, eles podem ser levados à responsabilidade criminal”, completa ela.

OAB abre investigação contra advogado
A seccional de Pernambuco da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PE) abriu investigação sobre a conduta do advogado Diego Valença Jatobá em vídeo machista na Rússia. Ele é um dos homens que assediam russas a repetir frases de teor sexual em português. O advogado é também ex-secretário de Cultura, Turismo e Esportes de Ipojuca, município do litoral do estado.
Imagem de divulgação
A denúncia contra Jatobá foi encaminhada pela Comissão da Mulher Advogada ao Tribunal de Ética e Disciplina da Ordem. A investigação pode levar a uma advertência o ou até a cassação da carteira de advogado. Em nota, a OAB afirmou que “a preconceituosa atitude é causa de vergonha para todos nós, brasileiros, e vai na contramão do atual contexto de luta contra a desigualdade de gênero”.
“Está se verificando se a conduta do advogado viola nosso Código de Ética e Disciplina na parte em que proíbe que o advogado tenha uma conduta incompatível com a dignidade da advocacia. O Tribunal verá se essa conduta por ter sido praticada no exterior se é passível de ser punida em Pernambuco. O advogado está passível de uma punição que pode ir desde uma simples advertência até a exclusão dos quadros da OAB”, disse Ronnie Duarte, presidente da OAB de Pernambuco ao telejornal NE 2 .

Tomado do Portal Desacato
Publicidade/BED
Essa instituição tem o apoio do BED
Siga o blog nas redes sociais:
Facebook: facebook.com/blogesportesemdebate

Único negro, técnico de Senegal tem menor salário da Copa

Aliou Cissé. Foto: Captura de tela do Youtube
A vitória de Senegal sobre a Polônia por 2 a 1 nesta terça-feira (19/06) surpreendeu comentaristas de futebol e trouxe à tona a realidade do racismo velado contra treinadores no futebol. Se os jogadores negros já dominam até mesmo as escalações de alguns países europeus, o panorama é bem diferente quando se trata dos técnicos.
Aliou Cissé, que foi estrela da seleção do Senegal em 2002, é o único treinador negro entre as 32 equipes da Copa do Mundo deste ano. Além disso, ele é também o técnico com o menor salário. Segundo dados divulgados pelo canal de TV holandês Zoomin, Cissé recebe cerca de R$ 850 mil ao ano, salário 16 vezes menor do que o de Tite, por exemplo.
Apesar de serem maioria até mesmo em alguns times europeus, como a França, raramente os negros são bem recebidos como técnicos no futebol. Até hoje, por exemplo, apenas um negro dirigiu a seleção brasileira: Gentil Cardoso, em 1959, há quase 60 anos. E mesmo assim, em uma única competição de baixo prestígio: O Campeonato Sul-americano daquele ano foi disputado duas vezes, e Gentil Cardoso dirigiu a seleção pernambucana, representando o Brasil, numa dessas vezes. “Não fui chamado porque sou preto”, teria dito ao ser preterido para as competições seguintes.
“Eu estou com as massas, e as massas derrubam até governos”, disse Gentil Cardoso, comemorando o título do carioca de 52. Ele foi demitido no dia seguinte. Foto: Reprodução
Raízes senegalesas do Brasil
Celso Marcondes, ex-diretor do Instituto Lula para a Iniciativa África, comemorou o resultado: “Senegal lava a alma dos povos africanos e consegue a primeira vitória de uma equipe do continente na Copa da Rússia. Única seleção com um técnico negro, ex-jogador senegalês, passa a ter grandes chances de classificação.  Por coincidência,  é um dos países africanos que mais “importou”  programas sociais do governo Lula.  E um dos que mais “exportou” negros escravizados para o Brasil, embarcados na ilha de Goree”.
O site de futebol Trivela publicou em 2016 uma matéria sobre o racismo contra treinadores no futebol e resgatou uma fala de Gentil Cardoso em 1954. Ao ser preterido para dirigir a seleção brasileira na Copa da Suíça, Cardoso teria dito: “O racismo é um fato que a hipocrisia encobre”.
“Eu estou com as massas, e as massas derrubam até governos”, disse Gentil Cardoso, comemorando o título do carioca de 52. Ele foi demitido no dia seguinte. Foto: Reprodução
O relatório anual de discriminação no futebol brasileiro de 2016 (último dado disponível) apontou 25 casos naquele ano. Das 20 equipes que disputam o Campeonato Brasileiro deste ano, apenas uma (o Palmeiras) tem um técnico negro, Roger Machado.
Em entrevista coletiva, o técnico senegalês comentou sobre ser o único técnico negro na copa. “É uma realidade dolorosa”. Após a partida, o treinador que está a frente da seleção desde 2015, mostrou-se orgulhoso pelo trabalho que vem fazendo.
“Eu garanto que toda a África está nos apoiando. Eu recebo telefonemas de todos os lugares. Temos orgulho de representar a África”, disse Aliou Cissé. que já foi atleta da seleção senegalesa em 2002.

Racismo no futebol russo quase levou a boicote
A frequência dos atos racistas em estádios russos é tão grande que chegou a ensejar a ameaça de um boicote de jogadores negros ao Mundial. Em março deste ano, a Fifa  foi acionada para tomar medidas severas diante de manifestações racistas partindo dos torcedores russos.
No amistoso que antecedeu o mundial entre Rússia e França, imitações de macacos vinham da arquibancada toda vez que os jogadores negros da França estavam com a bola.  A maior entidade do futebol alegou que haveria tolerância zero contra discriminação racial. Até o momento nenhum ato de racismo foi registrado no mundial.

Festa no Brasil 
Após a partida, a comunidade senegalesa em São Paulo saiu às ruas para comemorar a primeira vitória africana na Copa 2018.

Tomado do Portal Desacato

Publicidade/BED
Essa instituição em o apoio do BED
Siga o blog nas redes sociais:
Facebook: facebook.com/blogesportesemdebate